31/10/2014

Entrega ao dever supremo



Nunca se deve procurar 
Compreender 
A estupidez da maldade.
É mais sábio evitá-la.

O convite constante do Homem de Aquário é para que praticamos todo o bem que podermos, de todos os modos que quisermos, em todo lugar e no máximo de tempo que podermos, porém de maneira desapegada, porque 

Se lhe agrada fazer o bem 
E extasia-se com o fruto da sua ação,
A sua vontade natural se desfaz.
Se se deleita no que é correto,
Acabará tornando-se incorreto, inútil.
O amor pelo conhecimento do eterno 
Torna o homem virtuoso
E pode gerar planos habilidosos
Para ajudar a comunidade.
Mas o interesse movido pelo saber
Gera perigosas críticas aos próximos.
Fazer o bem
Durante todos os dias de sua vida
Não é suficiente.
Fazer o mal por um dia
É demais.


Fonte: O Homem de Aquário
             Sri Maha Krishna Swami



















19/10/2014

A Desarmonia Interna do Homem

Os ensinamentos de Ramana são sintéticos, imediatos. Não há como errar. Não há como não entendê-los. São simples, diretos e insistentes. Não há desculpas para não segui-los. E sempre vem um Mestre após outro para esclarecer todas as dúvidas. O Mestre é aquele que desfaz as dúvidas porque ele está liberto delas e por isso pode ajudar a quem estiver disposto a elaborar o seu próprio mundo. O problema não está no mundo externo. As pessoas deixaram de ser naturais. É preciso voltar a esse estado. Elas eliminam tudo que as ajudam e recebe em troca toda desarmonia.

O homem faz a guerra externa porque ele não quer admitir que a guerra é interna. Quando o homem guerreia fora é porque ele já está guerreando dentro de si mesmo. Ele não quer lutar contra sua própria ignorância e mata o povo inocente. E um grupo de falsos sábios fabrica bombas para aniquilar a espécie humana.

O homem tem um planeta muito bonito, polui-o completamente e diz que isso é evolução. Aglomera-se em grandes cidades onde há muito ruído, vive uma vida antinatural e acha que isso é evolução . Isso é o que o afasta do divino. É necessário retornar ao estado natural. Só aí terá paz Poderá estar trabalhando em qualquer área, pois o trabalho não afeta o estado natural. Somos divinos em essência e temos que viver em harmonia com o planeta no qual habitamos.

O homem tem atacado os reinos naturais à procura de valores externos e tem aniquilado muitas espécies de seres que estão vivendo em um processo natural, os denominados bichos. No entanto, não há bicho pior que o ego profano. O homem não pode ver uma mata que a queima, esquecendo-se de que ela faz parte de sua vida. Acaba destruindo a natureza e não tem mais como sobreviver, sucumbindo pela fome.

Porém a pior fome não é exatamente a fome física. O problema do mundo não é a fome. A ignorância espiritual é o problema. Essa ignorância é que produz toda calamidade possível. Quando o povo tem necessidade de ser o que realmente é e não o consegue, porque está envolto com seus problemas, essa é a pior das fomes. O homem pratica coisas piores que a sensação de fome, como apego ao sofrimento, por exemplo. O maior dos alimentos é a consciência da Verdade Suprema. Não é de agasalho que os seres humanos precisam. É de consciência, O problema não é um agasalho, uma casa, um pouco de alimento. Isso de uma maneira ou de outra se consegue. O problema é a inconsciência espiritual. Não é o que devemos comer ou vestir que causa problema.
Aquele que for consciente do divino terá tudo do que necessitar, por acréscimo. Como disse o Mestre Jesus: " As aves dos céus não plantam nem semeiam e, no entanto, a Força Suprema as alimenta". Muitas pessoas vivem na miséria, não por falta de alimento, mas por falta de alimento espiritual, e são dirigidos por pessoas mais ignorantes ainda. As pessoas têm problemas, não porque não são ajudadas, mas sim porque são inconscientes do divino. Dormem na noite da inconsciência.



Fonte: Livro - Ser





12/10/2014

Meditação Iniciática

Aquele que se sente atraído pelo caminho direto da autoconscientização, mas não teve ainda a oportunidade de encontrar o Mestre, o Consolador prometido, ou que está incapacitado de chegar até ele, pode tentar a prática da meditação em sua própria casa observando algumas instruções. Primeiramente consegue-se um pedaço de pano retangular, o que deve ser dobrado e guardado após cada meditação. Senta-se nele com as pernas cruzadas, a espinha ereta, a cabeça erguida, os ombros relaxados. Nunca se deve começar a meditar logo após sentar-se. Primeiro acalme-se a mente, afastando-a do mundo exterior e tornando-a submissa à vontade suprema. É preciso que se acalme o corpo físico, os sentidos e também as emoções. A partir desse momento a pessoa deve sentir, sem esforço, mas de maneira profunda e natural, o lado direito do peito, porque é nessa região que a essência divina se reflete. Pode-se repetir silenciosamente, dentro da cabeça, O mantra OM SHIVO HAM, ou qualquer outro nome sagrado como, por exemplo, o de um Mestre com quem mais a pessoa se identifica. 


Sentindo o lado direito do peito e repetindo silenciosamente o sagrado mantra, a mente deixa de vagar. A repetição do mantra neutraliza toda a desarmonia que provém da mente pensante. O mantra purifica nossa existência, abre o nosso coração à consciência suprema e possibilita o pleno discernimento entre o que é verdadeiro e o que é falso. Proporciona a virtude do amor supremo, mas sua eficácia somente é sentida através da experiência pessoal. Harmonizando-se com o mantra, entra-se em sintonização com o divino, e não se faz necessário recorrer a outros métodos espirituais os quais podem conduzir apenas à confusão mental. É necessário fazer com que o mantra ressoe na cabeça e perceber-se-a que os pensamentos e as desarmonias desaparecem, emergindo a consciência do Ser Supremo. O mantra pode transformar completamente a nossa existência e preenchê-la de amor eterno, felicidade perfeita, harmonia, simplicidade, paciência, serenidade. É realmente bem-aventurado aquele que se entrega às técnicas da meditação iniciática.


Fonte: O Homem de Aquário
             Sri Maha Krishna Swami

03/10/2014

Discernimento entre o real e o irreal.

Não há pecado no mundo, a não ser quando o homem se afirma como sendo o corpo, a mente, os sentidos. O grande problema do homem é ele confundir o Ser, que é puro, sutil, com o ego e a mente. Bhagavan Sri Ramana afirma que quando o homem está confuso, quando se está envolvendo com a mente, com o ego, com os sentidos, comporta-se igualmente aos porcos, que confundem a comida com o excremento e tanto comem um quanto o outro.

Existem quatro tipos de desgraças:
Não construir na juventude
Nada para o bem da comunidade;
Perder, na meia idade,
A oportunidade de conhecer o Mestre;
Ficar inconsciente da Verdade Suprema;
Ter uma velhice decrépita.

O corpo denso, os órgãos sensoriais, a mente, o ego e suas expressões grotescas, a felicidade temporária proporcionada pelos elementos, desde o éter, em escala descendente, até o maya indiferenciado, enfim, o universo inteiro, pertencem ao não-ser. Mesmo a inteligência dos seres da manifestação é ilusória, porque nasce e morre e carece da eternidade.

Que motivo de alegria pode haver neste mundo profano envolto em trevas? Observe os corpos cobertos de males, encolhidos, alimentando ideias profanadoras sem fim. Frágil é a sua forma exterior, sujeita à velhice:  verdadeiro ninho de enfermidades. A corrupção desagrega o corpo, e a mente desvirtua o espírito. Que prazer pode haver em contemplar os ossos esbranquiçados, a carne, o sangue e o revestimento externo? Disso é composto o corpo denso. Nele habita a velhice e a morte, o orgulho e a hipocrisia. Só a virtude do sábio não envelhece, pois ela é imutável. Sejam conscientes da Verdade, não escravos do mundo. Só os que são conscientes da verdade de ser estão livres do sofrimento.


Fonte: O Homem de Aquário
           Sri Maha Krishna Swami.