29/04/2011

ERUDIÇÃO PODE DETERMINAR IGNORÂNCIA

RAMAKRISHNA, É UM DESSES EXEMPLOS, ANALFABETO SÁBIO.




A grande maioria nada aprende de si mesmas. Todas as informações e conhecimentos elas recebem de terceiros. Porém o autoconhecimento é necessário se se pretende viver a sabedoria suprema. Quando a pessoa começa a viver ensinamentos que provêm dela mesma, de sua própria intuição, encontra o verdadeiro significado de sua existência na Terra. Deve-se também aprender com os outros, mas existem aquele que nem conhecem o alfabeto e, no entanto, estão repletos da sabedoria do Eterno. Os sábios vivem a Verdade plenamente, independente de terem-na aprendido ou não. Aquele que se conscientiza da Verdade e a põe em prática purifica seu coração. De outro modo, o mero conhecimento dos textos sagrados tornaria a pessoa falsa e profanadora.

A consciência da Verdade Suprema deve ser o principal objetivo do homem. Quem desconhece sua própria identidade é ignorante, por mais profunda que seja sua erudição, porque escrever, ler ou falar de assuntos espirituais de nada vale se isso não for transformado em ação, em virtudes divinas. A compaixão, a devoção, a meditação, o estado natural, o pleno discernimento, a consciência do divino, o amor supremo em todos os seus aspectos são virtudes. As qualidades da inteligência ativa passam pela mente. Podem ser de origem divina, mas não são totalmente divinas porque são utilizadas para as realizações práticas. O conhecimento de tudo isso é uma qualidade, mas o conhecimento não é a conscientização. O conhecimento é apenas um caminho que se apresenta.




Fonte: Emancipação
Sutra Maha Devi.

19/04/2011

O ERRO JAMAIS DEVE SER JUSTIFICADO




As pessoas vivem constantemente reclamando das das condições de vida, de outros que as oprimem ou magoam e justificam seus erros dizendo que são seres humanos e errar é natural. Porém não é correto esse modo de se encarar a vida. É preciso parar de justificar o humano que erra e conscientizar-se do Ser que todos são em essência. É uma questão de focalizar-se apenas no substantivo, que é a essência, e deixar o adjetivo,que é o acidental. É preciso apenas Ser, em toda a plenitude. O acidental, o humano, que é o ego, vive preso por si próprio, carregado de desejos, apegos, dores, lamentações, prazeres efêmeros. Para ilustrar a condição em que vivem as pessoas dominadas pelo ego, pode-se compará-las às abelhas.

É muito interessante o processo como as abelhas se comportam. Só nasce uma abelha-rainha numa colmeia para que as outras sobrevivam, orientem-se e não se dispersem. Ela nunca sai da colmeia e, no entanto, orienta todas as outras abelhas. Estas, que são incapacitadas de viverem sozinhas, para não perderem a líder chegam até a mutilar o corpo da abelha-rainha para evitar que ela saia da colmeia e deixe de orientá-las. Todas trabalham muito para garantir que a rainha sobreviva o maior tempo possível e assim possam viver de maneira organizada. Elas se escravizam por isso. Porém são escravas porque não possuem outra condição. Vivem em consciência grupal. O homem vive de maneira muito parecida com essa consciência de grupo. Ele tem condições de ser liberto, mas sempre busca alguém, como uma abelha-rainha, para lhe indicar a maneira de como se comportar. Prefere que lhe seja dito o que fazer e nunca toma as iniciativas para sua própria emancipação espiritual e assim torna-se escravo de suas limitações. Busca apenas as coisas materiais e não se empenha num caminho de autoconscientização. Se alguém lhe fala sobre a libertação dos ciclos de sofrimentos, ele não aceita, acha difícil. Pensa ser muito mais fácil fazer dos seus desejos uma abelha-rainha e viver escravizados por eles.





Fonte: Emancipação
Sutra Maha Devi

15/04/2011

UNIDADE

Assim como os pássaros
Não abandonam as alturas,
Assim como os peixes
Não deixam o mar,
Assim como as árvores
Não se cansam de florir,
Assim como as águas
Não se negam a correr,
Assim como o Sol doa energia
Sem se esgotar,
Assim como a terra nutre e acolhe
Sem se queixar,
Assim também o homem
Deve meditar
O Som Sagrado do Divino Ser,
Seguir seu estado natural
E conscientizar a Verdade
Na sua total plenitude.




Fonte: O Círculo de Luz
Sri Maha Krishna Swami

01/04/2011

VAMOS PISAR DESCALÇOS A RELVA DE TODOS OS CAMPOS



Não havia então não-existência,
Não havia o reino do ar e o espaço,
Nem o firmamento por trás dele.
Não havia a morte, nem havia algo imortal,
Não havia sinal ali, a divisar o dia e a noite.
A vida sem vida vivia por sua própria natureza,
Além dela nada havia.
As trevas lá estavam,
A princípio, escondidas em suas próprias trevas.
Tudo era caos indiscriminado.
Tudo o que existia então era vazio e disforme.
Mas pelo Grande Poder nasceu
A indescritível Unidade.

O Sat Guru Dev
É a Força Criadora.
Todo o universo foi emanado dele,
E a felicidade perfeita é a sua morada.

Água, ar, terra, fogo, éter.
Com esses elementos ele criou
As esferas rodopiantes do espaço.
Em algumas delas
As grandes transformações se processam,
Mas ele pode parar o tempo
Para que os seres se harmonizem
E, conscientemente, unam-se
À Força Criadora,
Integrem-se ao universo cósmico
E vivam a felicidade eterna.

Alguém quer roubar o mundo
Debaixo de meus pés.
E eu giro sem cessar
Como uma folha seca
Pairando no espaço.

Sabe, alguém quer
Queimar a paisagem
Diante de meus olhos.
Esse alguém trama
Contra o universo.
Em verdade,
Alguém quer escurecer o Sol,
Secar os rios, as nascentes,
Calar os pássaros
E tirar a cor da natureza.

Como é possível viver
Sem o verde das matas,
Sem o azul do céu,
Sem as canções dos pássaros,
Sem a doçura dos animais,
Sem o néctar das flores,
Sem o trigo, sem o pão de cada dia?

Diga,
Como se pode viver
Sem o clarão da alvorada?

Criar uma florzinha
É um labor de séculos.
Por que então cortar a planta
Que bondosamente a doa?





Fonte: O Círculo de luz
Sri Maha Krishna Swami