24/06/2011

A VERDADE ABSOLUTA




Inútil é o estudo dos livros sagrados se a Suprema Verdade não é sentida, pois a libertação não é obtida pela simples alusão ao Eterno, mas sim pela experiência imediata dele.Sem se conhecer a realidade do Ser, nenhuma libertação pode ser obtida por meras palavras. Os textos religiosos ou qualquer classe da erudição trazem um pouco de alegria ao instruído, mas isso não serve em absoluto para a autolibertação. A realidade do Divino Ser deve ser procurada com seriedade, sob a orientação de alguém que já seja consciente dessa realidade.

O Ser Supremo manifesta-se claramente nos estados de vigília, sonho e sono profundo. Faz sentir-se como existência, conhecimento e bem-aventurança. O homem deve conhecê-lo, pois ele é a sua real essência e se reflete no lado direito do peito. Assim, com a prática da meditação, transcendendo a mente, o corpo e os sentidos, é possível tomar consciência dessa Verdade Suprema. Realizando-a conscientemente, o homem se autoliberta. A causa da libertação é a realização da identidade com o Ser Divino. Esta é a única realidade, porque nada mais existe além do Divino Ser Universal.




Fonte: O Caminho da Não Dualidade.
Sri Maha Krishna SWami

18/06/2011

CHAMADO




A noite lava este planeta
Como uma chuva forte,
Intensa de libertação.
É preciso esquecer
O cotidiano.
E aniquilar a mente pensante.
E deixar que eu penetre.
Por que esse abandono?
De noites molhadas?
De chuvas que choram?
De madrugadas que não despertam?
Se os vossos poros pudessem
Dilatar-se para
Um eterno...um pouco de infinito...
Voltai-vos o coração para mim...
Eu posso penetrar
Entre os braços das árvores...
Penetrar todos os silêncios...
Acalmar todos os segredos.
Apagar todos os mistérios.
E posso purificar
Esses sonhos
Que não são.
Eu posso tirar
Um pouco as coisas que
Nunca existiram...
Eis a minha infinidade
De mãos...
E olhos de justiça,
Paz e amor universal.
Não posso sorrir
O cansaço de todos os que
Não viveram.



Fonte: Planeta
Sri Maha Krishna Suami

12/06/2011

O SER SUPREMO



Se fosse obrigado
A dar um nome à Verdade,
Chamá-la-ia de Ser.
E se fosse obrigado
A dar um nome ao Ser,
Chamá-lo-ia de Verdade.
Ela inunda de paz a aparente manifestação,
É sublime, ultrapassa os pensamentos e formas.

O altar do Ser é o universo.
O Sol e a Lua se inclinam diante dele.
A Luz dourada do Ser Supremo
Derrama os seus raios refulgentes
Sobre aqueles que meditam.
Seu brilho atravessa
As nuvens espessas da inconsciência.

Só pode ser um com o Ser Divino
Aquele que pisa os ventos
Por cima das ondas,
E seus passos
Não tocam as águas.

Pela unidade com o Ser Supremo
O céu atingiu a claridade;
A Terra, a estabilidade;
O espírito, a atividade;
O sábio, a plenitude.
Pela unidade,
Todos os seres atingiram a existência.

Afirma o Pacificador:
Se o céu não tivesse a essência
Pela qual se move,
Poderia escurecer-se.
Se a Terra não tivesse a essência divina
Pela qual é estável,
Poderia desfazer-se;
Se os espíritos não tivessem a essência
Pela qual são ativos,
Poderiam deter-se;
Se o sábio não tivesse a essência
Pela qual ele está pleno de virtude,
Poderia desvirtuar-se;
Se tudo não tivesse a essência
Pela qual permanece,
Poderia extinguir-se.

Todas as coisas do universo provêm do Ser.
Assim sendo, para ele tudo converge
E nele repousa.

O Ser Supremo resplandece
Em todas as direções imagináveis;
Sustenta, nutre a manifestação,
Realiza sua obra, nada reclama para si
Nem domina sobre ela.
Todas as coisas têm origem nele,
Mas, em troca, nada exige.
Não se considera
Criador, sustentador ou transformador,
Grande ou pequeno, forte ou fraco.
O Ser Supremo só resplandece.



Fonte: O Homem de Aquário
Sri Maha Krishna Swami.